Orientações para crianças e adolescentes sobre bullying na Internet (ou cyberbullying)

  • Publicado por Connect Safely

Sabemos que cada caso é individual, mas há algumas orientações gerais e já comprovadas na prática que você pode considerar compartilhar com seus filhos:

Saiba que não é sua culpa.

O que as pessoas chamam de "bullying" é, às vezes, uma discussão entre duas pessoas. Mas se alguém for repetidamente "cruel" com você, isso é bullying e você não deve se culpar. Ninguém merece ser tratado com crueldade.

Não responda nem faça retaliação.

Às vezes, uma reação é exatamente o que os agressores estão buscando, pois eles acham que isso lhes dá poder em relação a você e você não quer incentivar isso. Em relação à retaliação, responder a esse tipo de agressão transforma você em uma pessoa que também pratica bullying – e isso pode se transformar em uma reação em cadeia. Se você puder, retire-se da situação. Caso não possa, às vezes o humor desarma ou distrai uma pessoa do bullying.

Guarde as evidências.

A única boa notícia sobre bullying on-line ou em telefones é que ele pode geralmente ser capturado, salvo e mostrado para alguém que possa ajudar. Você pode guardar essas evidências caso precise encaminhar isso para alguém. [Acesse ConnectSafely.org/cyberbullying para obter instruções sobre como capturar telas em telefones e computadores.]

Diga para a pessoa que pare.

Isso fica totalmente a seu critério – não faça isso se não se sentir completamente à vontade para fazê-lo, pois você precisa tomar uma posição perfeitamente clara de que não irá mais aceitar esse tratamento. Talvez você precise praticar antes com alguém em quem você confia, como seus pais ou um amigo íntimo.

Peça ajuda – especialmente se você achar que o comportamento está de fato afetando você.

Você merece apoio. Veja se há alguém que possa ouvi-lo, ajudá-lo a lidar com o que está acontecendo e agir em relação a isso – seja um amigo, familiar ou talvez um adulto em quem você confia.

Use as ferramentas tecnológicas disponíveis.

A maioria dos apps e serviços de mídia social permitem que você bloqueie a pessoa. Seja assédio através de um app, texto, comentários ou fotos marcadas, faça um favor para você mesmo e use esse recurso. Você também pode relatar o problema para o serviço. Isso provavelmente não acabará com o bullying, mas você não precisa aceitar o recebimento do assédio e será menos tentado a responder. Se você estiver recebendo ameaças de agressões físicas, você deve ligar para a polícia local (com a ajuda de seus pais ou responsável legal) e considerar denunciar isso para os responsáveis pela instituição de ensino.

Proteja suas contas.

Não compartilhe suas senhas com qualquer outra pessoa – até mesmo seus amigos mais próximos, que podem não ser próximos para sempre – e proteja seu telefone usando uma senha que ninguém possa usar para se passar por você. Você encontrará orientações em passwords.connectsafely.org.  

Se você souber que alguém está sofrendo bullying, faça algo.

Ficar apenas assistindo pode dar mais poder ao agressor e não ajuda em nada. A melhor coisa que você pode fazer é tentar parar o bullying se posicionando contra ele. Se você não puder pará-lo, apoie a pessoa que está sendo vítima de bullying. Se a pessoa for um amigo seu, você pode ouvi-la e ver como pode ajudar. Considerem juntos se devem denunciar o bullying. Se ainda não forem amigos, até mesmo uma palavra amiga pode ajudar a aliviar o sofrimento. E ainda, ajude ao não passar uma mensagem negativa e não dar atenção positiva à pessoa cometendo bullying.

© Connect Safely